Pará um roteiro por Belém e Ilha de Marajó

Resumo do Post

Uma viagem ao Pará, a convite da ABEAR – Associação Brasileira de Empresas Aéreas, da Fornatur – Forum Nacional de Secretários de Turismo, e da Secretaria de Turismo do Pará. E lá fomos conhecer Belém e a Ilha do Marajó, em novembro de 2023, em uma viagem no Programa Voar+ que incentiva o turismo em destinos nacionais brasileiros.

O Pará sempre esteve na minha lista de desejos de viagens aqui no Brasil e passar 4 dias por Belém e pela Ilha de Marajó foi absolutamente especial. Um destino fora do roteiro tradicional no país, na porta da Amazônia, e que surpreendeu em todos os aspectos, gastronomia, natureza, historia, cultura, música, dança e muito mais.

Obrigada a @abear.br, @fornaturbrasil, @voegol, @visitpara, @governopara, @seturpara, @setoursoure pelo convite a este destino que eu amei conhecer.

Abaixo eu conto um pouco de como foi nossa viagem ao Pará, dia a dia:

Depois de um voo direto São Paulo – Belém chegamos na cidade já no final do dia. Check-in feito, banho tomado, nossa primeira parada foi no restaurante com uma gastronomia típica do Pará. E o interessante é que Belém recebeu da UNESCO o título com outras 12 cidades do Brasil, de cidade criativa da gastronomia.

E depois de 5 dias por lá, na minha opinião, esta certificação é muito merecida. A gastronomia é absolutamente diferente, e a mistura de sabores, temperos, folhas, cores, peixes, é perfeita. Tudo que eu experimentei vai ficar para sempre na minha memória. Então se você esta buscando um destino diferente aqui no Brasil, saiba que o Pará é uma excelente opção.

Roteiro: Belém – 1o Dia

Restaurante Ver o Açaí Belém

O restaurante tem uma gastronomia incrível, e além dos sabores da Amazônia, a cereja do bolo é a decoração dos vários ambientes, que contam um pouco da natureza, da história em que Belém está inserida. Adorei a experiência e super recomendo.

Endereço: Travessa Dom Pedro 599, Umarizal, Belém

Instagram: @veroacaibelem

Roteiro: Belém e Ilha de Marajó – 2o Dia

Transporte rápido Belém – Ilha do Marajó / Soure

Acordamos cedinho, e depois de uma café bem completo no Hotel Princesa Louça, dirigimos até o Terminal Hidroviário para pegar um barco rápido até a Ilha do Marajó. O terminal é bem central, e achei tudo bem organizado. Saímos bem cedo. O destino foi uma das cidade da Ilha chamada Soure.

O trajeto durou em torno de 2horas e 15, foi muito confortável, e rápido. Geralmente os horários são as 6h20 e 14h de segunda a sábado, mas é sempre bom dar uma reconfirmada no site. Em relação ao preço, o valor é em torno de 61,15 reais. (referência novembro de 2023)

Terminal Hidroviário de Belém (Luiz Rebelo Neto)

Site para compra do Ticket: https://bilhetemaster.online/

Praia de Barra Velha – Soure, Ilha do Marajó

Que lugar incrível a Praia de Barra Velha. Depois de dirigir por uma pequena estrada, chegamos em um Manguesal, e o caminho até a praia, vai fazendo um zigue zague por inúmeras árvores bem características do mangue, bem fina, e com suas raízes expostas.

O caminho é bem curto, e como era um dia de semana, encontramos uma praia quase particular. De um lado um rio de água doce, do outro a baia do Marajó, onde chega o oceano atlântico, e tudo isso cercado de muito verde e árvores do mangue, na própria areia fina e branquinha da praia. Um cenário de filme. A 1a impressão do Marajó foi belíssima. Uma natureza selvagem, quase intocada e belíssima.

Almoçamos no Restaurante Pai D´Egua de Soure, e o garçom nos alertou para termos cuidado no mar, no encontro com o rio, a correnteza é forte, pode puxa, e também com o movimento das marés. Então fique sempre alerta.

Lojinha da Mamãe – roupas com grafismo marajoara

O grafismo é muito particular na Ilha do Marajó e faz parte da sua historia, do seu legado. Na verdade as cerâmicas encontradas através de escavações na ilha são consideradas uma das mais antigas do Brasil e também nas Américas.

E podemos encontrar estes grafismos em vestimentas e cerâmicas na Ilha, que contribuem para conhecer e perpetuar todo este legado que vem da pré-historia da Amazônia.

Eu tive que levar uma lembrança para casa que foi uma blusa com o grafismo marajoara, que eu comprei na Lojinha da Mamãe todas feitas por costureiras e artesãs que vivem na ilha. A cultura marajoara é riquíssima e o trabalho das artesãs ligados as roupas, artesanato, contribui também para a movimentação da economia da ilha. Então se estiver no Marajó, de uma passada na loja e leve uma lembrança da ilha.

O grafismo marajoara é belíssimo e mistura padrões geometrizados e ao mesmo tempo representações e desenhos da natureza. O grafismo é bem único.

E uma curiosidade é que a camisa marajoara branca, bordada, de manha longa, social, ela é considerada um traje de gala na ilha.

Fazenda Mironga uma experiência turística no Marajó

A ilha do Marajó tem um dos maiores rebanhos de búfalos do mundo, (em torno de 500 mil) e na Fazenda Mironga é possível, vê-los de perto, entender como vivem, suas características e conhecer a história de como os búfalos chegaram na ilha do Marajó no Pará.

Uma das curiosidades é que na Ilha do Marajó você pode encontrar búfalos auxiliando os policiais. Por exemplo, desde 1990, o Batalhão da Polícia Militar em Soure usa búfalos em suas operações de patrulhamento.

Ouvimos muitas histórias sobre a origem dos búfalos na ilha. Desde historias de que eles vieram da Indochina e o navio naufragou, até que chegaram com prisioneiros fugitivos da Guiana Francesa, que usavam jangadas para atravessar os mangues.

A experiência na Fazenda Mironga é bem interessante, o lugar é muito agradável e no fim da visita foi servido um café da tarde, com muitas delícias como queijos, bolos, geleias doce de leite marajoaras, tudo bem regional feita com o leite dos búfalos.

Instagram: @queijodomarajomironga

Endereço: Rodovia Soure / Pesqueiro Km06, Soure, Ilha do Marajó

Jantar Restaurante Solar do Bola

A gastronomia na ilha do Marajó assim como em Belém é incrível para quem gosta de experimentar a gastronomia regional. E vou contar que no Solar do Bola, eu talvez tenha experimentado o prato mais diferente que já experimentei em toda a minha vida!

Eu estou falando do Turu, que é um molusco leitoso e branquinho, e que pode alcançar até 1 metro de comprimento. O turu é encontrado no mangue, e o chef o preparou em forma de ceviche. E posso dizer que estava muito bom. O turu é um dos símbolos da gastronomia marajoara.

Instagram: @solardobola

Endereço: Rua Oitava, 872 – Matinha, Soure – Ilha do Marajó, Pará

Assistir a dança Carimbó

E para fechar este dia maravilhoso na Ilha do Marajó, terminamos a noite assistindo a famosa, tradicional e típica dança do Carimbó.

A palavra “carimbó” tem origem indígena. e faz referência ao principal instrumento musical usado nessa dança folclórica. Trata-se de um tambor tocado com as mãos, feito com um tronco.

A dança é animada, as mulheres usam saias rodadas, compridas e coloridas, e posso dizer que toda a apresentação é contagiante. E no final, os visitantes também são convidados a dançar e participar.

A dica aqui é, logo que você chegar na cidade, procure saber na sua hospedagem, onde e quando acontecem ensaios de carimbó. Cada dia, um grupo treina em lugares específicos de Soure, que foi a cidade que visitamos. E ai só aproveitar e dançar muito o Carimbó, a noite inteira.

Roteiro: Ilha de Marajó e volta a Belém – 3o Dia

Fazenda São Jerônimo

Esta foi uma das experiencias mais incríveis que eu tive na Ilha do Marajó. Toda a aventura aconteceu em um lugar exótico, isolado, intocado que já foi cenário do programa no Limite e de novelas. Essa é a Fazenda São Jerônimo que fica em Soure na parte oriental da ilha.

Todo o caminho é surreal, a gente começa com uma trilha de 600 metros em uma vegetação de transição na Amazônia Paraense. Em seguida tomamos um barco e navegamos por um iguarapé que é um curso de água amazônico. A curiosidade é que quando a maré desce diariamente, o local vira um campo para jogar futebol, a paisagem é belíssima.

E ai chegamos em um lugar incrível, uma praia fluvial que encontra também com o mar. De lá caminhamos pela praia do goiabal absolutamente deserta, de um lado os mangues, do outro, uma imensidão azul. É surreal sentir a força da natureza. Próxima etapa: caminhamos por uma trilha suspensa em uma enorme área de mangue. E por fim, 1k m e meio para voltar até o ponto inicial da trilha.

Foi um dia maravilhoso, e super indico este passeio quando você visitar a Ilha do Marajó no Pará.

Instagram: @fazenda_saojeromino

Endereço: Rodovia Soure Pesqueiro, Km 3, s/n – Tucumanduba, Soure – Pará

Voltamos a Belém em um barco rápido, a tempo de chegar para o jantar.

Restaurante Amazônia na Cuia – na cidade de Belém

Uma experiência sem igual, eu absolutamente amei o jantar tão diferente no Restaurante Amazônia na Cuia. Foi escolhido uma opção que o restaurante oferece para 10 pessoas e que os pratos vem em pequenas cuias. E o melhor, é que você pode provar um pouquinho de todas as delícias regionais do Pará.

O que nós experimentamos? ai vai a lista: Maniçoba, arroz de pato, pirarucu com farofa, moqueca do peixe filhote com pirão de tucupi, tacacá, vatapá, caranguejo, açaí, caruru. Enfim, foi um verdadeiro banquete, então se você estive em Belém do Pará, não perca a oportunidade de viver esta experiência regional. Amei tudo!

Instagram: @amazonianacuia

Endereço: Rua Domingos Medeiros 8451, Belém

Roteiro: Belém – 4o Dia

City Tour Belém

O último dia em Belém foi conhecer a parte histórica através de um city tour. A cidade teve um período de muita riqueza que foi concentrado no ciclo da Borracha, que foi a extração de látex das seringueiras e sua comercialização. Tudo isso aconteceu na segunda metade do século XIX trazendo anos de muita prosperidade para a região norte, especificamente o Pará.

Então o city tour que fizemos cobriu muitas destas regiões que receberam uma forte influência europeia como foi o caso do fabuloso e lindíssimo Teatro da Paz , inspirado no Teatro Scala de Milão.

Teatro da Paz, Palacete Faciola, Mercado Ver o Peso, Casa das 11 Janelas, Forte do Presépio, Parque Mangal das Garças, Almoço no Restaurante Manjar das Garças, Passeio de Barco Ilha de Combu, Estação das Docas

Passeio de Barco Ilha do Combu

A Ilha do Combu é a 4a maior ilha das 39 que fazem parte da área insular da cidade de Belém. A ilha fica a alguns minutos de navegação de Belém, e é um passeio bem interessante. Primeiro porque podemos ir acompanhando uma série de restaurantes ao longo da ilha, em que as pessoas vão passar o dia. É bem agradável.

E o passeio foi ainda mais especial, pois fomos visitar uma área rural que é propriedade do Senhor Ladi, e entremos na mata para conhecer diversas árvores características da região amazônica. O Senhor Ladi, tem 82 anos (novembro de 2023) e subiu na árvore que era bem alta para colher o fruto do açaí.

Foi uma experiência incrível que vou guardar para sempre na minha memória.

Gastronomia no Pará

Se tem um ponto que me chamou atenção e me encantei no Pará foi a gastronomia. A experiência da comida regional e local faz parte de qualquer viagem, mas quando você vai pra um lugar que é reconhecido como cidade criativa da gastronomia pela Unesco, ai a gastronomia vai pra um outro patamar.

Eu tive a oportunidade de experimentar tantas coisas que não tinha ideia que existissem, e adorei absolutamente tudo. Começando com o Turu, eu comi  em forma de ceviche. Estava muito bom, ele é um molusco encontrado nos manguesais.

Já o Pirarucu de Casaca é preparado com o peixe salgado, como se fosse um bacalhau. O filhote foi um peixes que eu mais gostei na viagem e repeti muitas vezes.

E lá no tradicional mercado Ver o Peso encontrei o jambu que é uma planta muito comum no norte e conhecida pelo efeito de adormecer a boca. E tem bebida com jambu.

A  Castanha do para, eu trouxe na mala, e estou rezando para não acabar rápido, Por fim a grande estrela foi o açai, e o mais legal foi ver o Senhor Ladi de 82 anos subindo em uma palmeira para colher o açai. A gastronomia do Para é absolutamente sem palavras. Imperdível.

Resumo 4 dias no ParáBelém e Ilha do Marajó

Confira também um resumo de todos os lugares que eu conheci nesta viagem de 4 dias pelo Pará.

1º dia Voo direto São Paulo – Belem @voegol, Jantar no Restaurante Ver o Açaí, Hospedagem no Hotel Princesa Louça

2º dia Terminal Hidroviário – Barco rápido ate Soure Ilha do Marajó, Praia de Barra Velha, Restaurante Pai D´Egua de Soure, Lojinha da Mamãe – Roupas típicas com grafismo Marajoara, Experiencia na Fazenda Mironga, Hotel Marajó, Jantar Solar do Bola, Ensaio de Carimbo

3º Dia Dia na Fazenda São Jeronimo, Volta a Belém no barco rápido, Jantar no Restaurante Amazônia na Cuia

4º Dia, Centro Histórico de Belém, Teatro da Paz, Palacete Faciola, Mercado Ver o Peso, Casa das 11 Janelas, Forte do Presépio, Parque Mangal das Garças, Almoço no Restaurante Manjar das Garças, Passeio de Barco Ilha do Combu, Jantar na Estação das Docas

5o Dia, Volta a São Paulo – VoeGol

Foram 4 dias fantásticos conhecendo uma região do Brasil que eu sabia muito pouco. Só agradecer a Abear, Fornatur, Governo e secretaria de turismo do Pará por ter me levado a este destino maravilhoso neste nosso Brasil. O Pará é fascinante, e você precisa conhecer!

Obrigada por acompanha o Viajandocomhistoria

https://www.pa.gov.br/

Deixe um comentário

Adriana Direne

Adriana Direne

Apaixonada por viajar e trazer muitas histórias pra contar

Booking.com